Adwords

Interessado em fazer dinheiro anunciando no Google?

Celular

Produtos do Google para seu celular favorito ou para o iPhone? Você encontra tudo aqui!

Gmail

Considerado um dos melhores Webmails do Mundo, o Gmail não pára de inovar!

Opensocial

Tudo sobre a plataforma de aplicativos para Redes Sociais do Google!

Orkut

Tudo sobre a Rede Social do Google, a mais popular no Brasil!

Início » Geral

De onde vêm as fotos do Google Earth?

Enviado por em terça-feira, 16 outubro 20079 Comentários
Quem nunca perdeu algumas horinhas procurando sua casa, conhecendo novos países ou visitando lugares históricos no Google Maps ou Google Earth que atire a primeira pedra!
Os PETABYTES de imagens da Terra, depois de organizadas e distribuídas gratuitamente pelo Google, tornaram-se febre entre usuários do mundo todo. Mas nem todos sabem de onde realmente vêm essas imagens.

O site Technology Review entrevistou engenheiros do Google e da DigitalGlobe (fornecedora de imagens) e descobriu como é criada a mágica dos mapas virtuais, abaixo, traduzimos e adaptamos alguns trechos do artigo:

1. Imagens em alta resolução
A 450 km de altura, um satélite da DigitalGlobe fotografa o planeta diversas vezes, em fotos de 16.5 km², ou em “tiras” de 16.5 km x 330 km. Como ele gira apenas 15 vezes por dia em torno do planeta, e suas fotos são geralmente bastante disputadas, muitas regiões acabam sendo fotografadas com baixíssima qualidade.

2. Captação e pós-processamento
O satélite armazena as imagens e de tempos em tempos envia às antenas de captação da DigitalGlobe, na Noruega ou Alasca, dependendo da proximidade. Após, as imagens viajam para um Data Center no Colorado, onde os ângulos são ajustados e as projeções em 3D são geradas. Após toda a correcão e alinhamento das imagens, os pixels são localizados por Latitude e Longitude. Só depois elas são disponibilizadas à Google. Lembrando que as imagens são da Digital Globe e não da Google Inc, que a utiliza conforme um acordo entre as duas empresas

3. Fotos Aéreas
Cidades de grande interesse e procura ainda possuem imagens capturadas com alto grau de detalhes por aviões, possibilitando a visualização de carros e até pessoas. Como nas imagens por satélite. A localização das imagens da-se pela fusão de Câmera digital + Sistema Inercial dotado de um GPS. Algumas cidades, como Bergen na Noruega já possuiam imagens aéreas de suas cidades e as forneceram ao Google, para enriquecer a Base de dados da DigitalGlobe.

4. Pirâmide Digital
A Google utiliza uma enorme Base de Dados das imagens formecidas pela DigitalGlobe, toda organizada por Latitude e Longitude, como esta base possui imagens de todo o mundo em várias resoluções, elas estão organizadas em formato de pirâmide, permitindo o envio de imagens de áreas específicas para o Earth e o Maps com um atraso relativamente baixo.

5. Google Maps
Com aproximadamento 200Kb de JavaScript, o Google Maps possibilita uma interface Web prática, que consegue disponibilizar ao usuário a fatia desejada na pirâmide de Informações armazenadas nos Servidores da Google, simplesmente executando um comando HTTP “get”. As imagens são armazenadas no Cache do Browser, permitindo a fácil navegação. Quando não mais necessárias as imagens são atomaticamente apagadas.

6. Extras e Camadas
Recursos como Informações da National Geographic, Panoramio, Youtube e Camadas de informações criadas pela Comunidade do Google Earth, também ficam armazenados nos servidores da Google, todos devidamente catalogados. Quando um usuário marca uma determinada camada, suas informações são combinadas com a imagem exibida e os recursos são visualizados pelo usuário.

7. Mashup
Utilizando JavaScript, desenvolvedores podem utilizar as informações de coordenadas geográficas para interagir seus serviços com os Mapas fornecidos pela Google. Dentro de um Mashup, quando o usuário entra com uma informação, esta é passada e processada pelos servidores da Google que retornam o mapa desejado.

Você pode ver mais sobre o Google Earth aqui no Undergoogle:

Agradecemos ao leitor Cido por sugestões que resultaram em algumas alterações no artigo.

Popularity: 8% [?]

Bruno Soares Paulistano, 22 anos, estudante de Engenharia da Computação pela FASP, é desenvolvedor Windows e Web há 5 anos. Gostava de escrever sobre tecnologia nas horas vagas, e criou o Undergoogle junto ao Fernando Kanarski para poder acompanhar de perto a, na sua opinião, empresa de tecnologia mais inovadora dos últimos anos.

9 Comentários »

  • Cido disse:
    Alguns esclarecimentos:

    1º)Percebi que o post usa indevidamente o termo Foto/Fotografias/Fotografas quando o termos certo é Imagens. Fotografia é o termo usado para quando se obtém uma imagem através da sensibilização de uma película. As imagens de satélites são obtidas através de um sensor que captura a radiação eletromagnética refletida na superfície terrestre. Logo, não se fala FOTOS DE SATÉLITE ou DE ONDE VEM AS FOTOS DO GOOGLE EARTH ou FOTOGRAFA o PLANETA DIVERSAS VEZES ou SUAS FOTOS SÃO BASTANTES DISPUTADAS. Está totalmente incorreto.

    Os servidores da Digital possuem tanto Imagens de satélites como aerofotos em seu acervo, geralmente fotos aéreas digitais. Mesmo assim, comparando-se com as imagens de satélite, são bem poucas.

    2) As imagens são da Digital Globe e não da Google Inc que a utiliza conforme um acordo entre as duas empresas. Aliás, quem pensa que o Google e a Digital Globe estão fazendo “filantropia” está muito enganado porque na verdade isso é um cartão de visitas da DG, já que existem outras empresas que também comercializam IMAGENS DE SATÉLITE.

    3º) Não é o GPS que permite localizar cada Foto aérea e sim o seu sistema formado por Câmera digital+Sistema Inercial dotado de um GPS.

    O texto é interessante, mas há muitos termos e explicações esquisitas.

  • Vinícius E. disse:
    Complementanto as “correções”, trexo é com ch, ou seja, trecho.
  • Túlio Magno disse:
    E o relevo? Como é feito?

    Obs.: Droga! Nunca bati uma foto digital, então!

  • tiags disse:
    “Fotografia é o termo usado para quando se obtém uma imagem através da sensibilização de uma película. As imagens de satélites são obtidas através de um sensor que captura a radiação eletromagnética”

    -Quando você tira uma fotografia (digital ou com película) ela é uma captura da radiação eletromagnetica, ta certo que alguns satelites consegue captar espectros de luz não visiveis ao olho humano como infra vermelho, mas tudo e radiação eletromagnetica: luz visivel, ondas de radio, raio-x, raios gama, ultra violeta(luz negra), infra vermelho, etc.

    “As imagens são da Digital Globe e não da Google Inc que a utiliza conforme um acordo entre as duas empresas. Aliás, quem pensa que o Google e a Digital Globe estão fazendo “filantropia” está muito enganado porque na verdade isso é um cartão de visitas da DG, já que existem outras empresas que também comercializam IMAGENS DE SATÉLITE.”

    -Bom o Google paga pelas imagens, mas esse comercio existe a muito tempo até com conteúdo pior feita por satélites mais antigos. E eu nunca vi alguém disponibilizar de graça pra todo mundo acessar, ta certo que o google tenta atrair audiencia e reconhecimento
    para outros serviços.
    Mas você Cido já não acha o suficiente olhar de graça imagens que teria que se pagar??

  • Harlley disse:
    Tenho notado muitos erros ortográficos e até de digitação nos post’s aqui no Undergoogle. Até parece que eles não são revisados antes de serem publicados. Galera, é bom terem um cuidado maior neste aspecto, pra não perderem a credibilidade do blog. Abraços.
  • Anonymous disse:
    Esse cido é somente um chato. “Fotografia é inhem inhem inhem…” Obviamente, quem postou a matéria optou por colocar uma liguagem mais acessível, inclusive para os leigos, de forma que todo mundo entenda o espírito da matéria. No mais, vc teceu comentários que no fundo não fazem diferença alguma, somente complicariam mais a interpretação do texto. Você deve ser o famoso cara chato.
  • bruno.soares disse:
    Obrigado pelo apoio Harlley.

    Realmente notamos os erros nos últimos artigos e corrigimos os mesmos.

    Credibilidade e fidelidade dos leitores é algo muito importante para qualquer blog/site, e nos empenharemos para sempre melhorar a qualidade dos artigos, tanto no quesito conteúdo quanto gramatical.

    Abraços,

    Bruno Soares

  • Ablize disse:
    É muito melhor ser um “chato” e contribuir com os conceitos técnicos do que ser um “anônimo” que quer continuar como um ignorante.
    Ser leigo num assunto não significa aceitar conceitos errados.
    Foto é foto e Imagem é imagem, como bem explicou o Cido. Este tipo de confusào nos conceitos é normal na imprensa.
    O Cido é chato ? Nem um pouco, ele simplesmente é lógico e técnico. Agora, obviamente o Sr. Anônimo é o famoso acomodado com a sua ignorância.
  • paradoxus « disse:
    […] olho Potiguar morto na Barros Reis se ligue horário do shopping Google Earth Curiosidades sobre origem e atualização boa vontade estado do bispo preocupa planalto pddu fim das […]