Google remove imagens a pedido do Pentágono

Street View

A pedido do Pentágono, a Google removeu imagens do Google Street View, serviço que permite vista com angulação de 360º de ruas de algumas cidades americanas.

A alegação do Pentágono foi a de considerar algumas fotos uma ameaça à segurança de bases militares dos Estados Unidos. O general Gene Renuart, chefe do comando militar responsável pela Defesa Nacional, afirmou que o Pentágono tinha conversado com a Google sobre os riscos, e espera que a empresa coopere para remover imagens selecionadas do seu serviço Street View.

“Nós fomos contatados pelos militares”, afirmou o porta-voz do Google, Larry Yu. “Nessas instâncias, onde eles expressaram preocupações com as imagens, nós atendemos aos pedidos”.

O Departamento de Defesa, que ainda estuda como tantas imagens estão disponíveis, também proibiu equipes do Google de tomar imagens de vídeo[bb] das bases.

Embora entenda a preocupação, acredito que a ação mostra o fim da liberdade na Internet, já que as fotos foram tomadas de vias públicas e qualquer “terrorista” poderia muito bem visitar aquela mesma rua em um dia qualquer e tirar suas fotos. Há tempos o Google Maps vem sofrendo com pedidos de remoção de imagens por governos, e isso só ajuda a mostrar que a Internet não é uma área livre, mas sim regulada por grandes governos e seus devidos interesses.

Fonte: Info Online

Popularity: 3% [?]

6 ideias sobre “Google remove imagens a pedido do Pentágono

  1. Eu não acho que seja fim de liberdade. Primeiro que foi um pedido, segundo que se é algo que realmente incomode no quesito segurança, não é uma pequena alteração que iria mudar a qualidade do serviço.
  2. Pingback: Renan Lima - » A pedido do Pentágono Google remove imagens do Street View

  3. Como assim fim da liberdade? “Get real”!
    Obviamente, qualquer pessoa pode aparecer lá e tirar as fotos. Sem dúvida. Mas também não precisa entregar todos os dados de mão beijada para o senhor Laden, né? Agora o Google tem que facilitar atentados terroristas em nome da “liberdade de expressão”? Valha-me, Deus. Quando o assunto é segurança nacional, amigo, medidas mínimas [veja, mínimas, como neste caso] justificam-se plenamente. O que não rola é brincar de Jack Bauer e sair torturando qualquer um na rua com ascendência arábe.
    Abs!

Os comentários estão fechados.