Adwords

Interessado em fazer dinheiro anunciando no Google?

Celular

Produtos do Google para seu celular favorito ou para o iPhone? Você encontra tudo aqui!

Gmail

Considerado um dos melhores Webmails do Mundo, o Gmail não pára de inovar!

Opensocial

Tudo sobre a plataforma de aplicativos para Redes Sociais do Google!

Orkut

Tudo sobre a Rede Social do Google, a mais popular no Brasil!

Início » AdPlanner, Adwords, Destaques

Google AdPlanner: ainda há muito por fazer

Enviado por em terça-feira, 4 novembro 20085 Comentários

Há três meses o Google lançou o Google Adplanner. Eu corri para me inscrever e fiquei muito empolgada quando me aceitaram para usar a versão beta. Mas infelizmente, a minha impressão não foi tão boa. Achei que faltava mais utilidades na ferramenta, pois os recursos que me pareciam mais importantes ainda não estavam disponíveis no Brasil.

É claro que nem tudo é responsabilidade do Google, as métricas na internet brasileira ainda são muito prejudicadas pela falta de parâmetros quando o assunto é IPs, dados estatísticos ou localização geográfica, o que prejudica em cheio a proposta de targeting especializado do Google Adplanner.

Aqueles que já trabalham com o Adwords há algum tempo devem se lembrar de quando a expressão geotargeting era novidade. Eu pelo menos ficava pensando que bom seria poder segmentar minhas campanhas por regiões, como já acontecia no Estados Unidos. Passados alguns anos, hoje já é possível fazer isso, mas esbarramos em algumas limitações técnicas. Ou seja, já vemos uma luz no fim do túnel, mas ainda estamos atrás de outros lugares do planeta.

A mesma coisa acontece com o Adplanner. A idéia é muito boa, mas ainda faltam funcionalidades que nos ajudariam muito mais. É frustrante para um usuário ver opções inativas com a mensagem “ainda não disponível para a sua região”. Bem, pelo menos esse problema não temos mais, pois agora as opções para segmentar por gênero e idade nem aparecem (no início eles estavam lá, mas não funcionavam).

Já o sonho do geotargeting parece mais concreto. Testei esta semana e a ferramenta já apresenta os dados segmentados por estados e até por cidades medianas. Mas outras opções ainda parecem sonhos distantes. Quando mudamos a configuração da conta e selecionamos Estados Unidos como audiência, podemos ver todas as funções habilitadas, inclusive as segmentações por gênero, idade, grau de instrução e renda familiar. Como fariam funcionar isso no Brasil?

No final das contas, os dados hoje apresentados ajudam um pouco no nosso trabalho, mas não são tão determinantes. Para acrescentar, não confio muito nos números apresentados, pois além de serem arredondados, há valores que me fazem desconfiar – especialmente de sites aos quais tenho acesso aos dados do Google Analytics -, mas enfim, não posso confirmar o de todos para saber até que ponto estão corretos.

Eu resumiria dizendo que o Google AdPlanner veio para somar, mas não é imprescindível. Fica a esperança de um dia contar com dados mais profundos e confiáveis e a partir daí, saber exatamente onde estamos pisando quando planejamos uma campanha online no Brasil.

Popularity: 17% [?]

Luciana Couto Mestranda em Jornalismo, analista de marketing digital, webwriter e geek nas horas vagas. Trabalha atualmente na Fivecom, empresa de soluções em Web 2.0 e mantém um blog pessoal.

5 Comentários »

  • Paulo Cassiano disse:
    Parabéns pelo excelente texto! 😉
  • Jean Michael disse:
    Legal Luciana, gostei do termo que usou para ess parte aqui no Brasil “já vemos uma luz no fim do túnel”

    Jean Michael
    http://www.PontoLine.com

  • […] é um dia muito feliz. Saiu o meu primeiro (espero que de muitos) artigo no UnderGoogle. Velho conhecido da galera da web, o blog é especializado, obvio, no Google. Não é para menos […]
  • O maior problema é que geotargeting baseado em IP não funciona a contento no Brasil.

    Por mais maravilhosa que a ferramenta pudesse ser, enquanto as operadoras de internet entregarem o mesmo IP para o Rio, Salvador e São Paulo, as segmentações por região estarão comprometidas.

    Um grande abraço e parabéns pelo artigo.

  • lucianacouto disse:
    Paulo, obrigada :)

    Jean, é, realmente é uma pequena vela lá no final ainda…

    Paulo Rodrigo, eu compartilho da sua frustração. Outro dia mesmo verifiquei que aqui no meu trabalho, os nossos acessos estão sendo contabilizados como de Belo Horizonte e estamos no Espírito Santo! Isso prejudica muito o planejamento de uma campanha, mas o que me anima é saber que já estamos um pouquinho melhor do que há alguns anos. Quem sabe no futuro 😉