Backup e sincronismo de seus documentos no Google Docs

DocSyncerUm dos grandes problemas hoje em se utilizar o Google Docs para fazer backups de seus documentos do desktop é o transtorno para enviar e manter os documentos sincronizados. Hoje, não dá pra automatizar a tarefa. Ou melhor, não dava.

Em poucas semanas será lançado mais um serviço Web 2.0 que promete suprir uma deficiência de outro produto online. O DocSyncer é um (tradução literal do nome e da utilidade) sincronizador de documentos, que possibilita fazer uploads dos seus arquivos de texto, planilha e apresentações (Word, Excel e Powerpoint) em massa e sempre que houver alterações nos arquivos locais, atualizar o Google Docs automaticamente com seus arquivos.

O serviço mantém uma estrutura de diretórios igual à armazenada localmente e informações relevantes acerca dos arquivos. Ao clicar para abrir um documento, o serviço acessa o arquivo online diretamente e exibe-o. Prático, não?

No momento os idealizadores do DocSyncer estão procurando investidores para lançar no mercado o seu serviço (a versão inicial será fechada, com acesso por convites) e cogita-se que o próprio Google possa vir a financiá-los ou comprar a idéia e lançar como serviço agregado ao Docs. De uma forma ou de outra, aguardo ansioso pelo lançamento, pois vai-me ser muito útil.

Infelizmente ainda vamos esperar um pouco para que o sincronismo inverso aconteça – quando um documento for alterado no Docs, seja automatimente transferido para o computador.


Manoel Netto é Consultor / Desenvolvedor Web, entusiasta e estudioso de blogs, apaixonado por tecnologia e autor dos blogs Tecnocracia, Seriguela e Balela.

Popularity: 3% [?]

Google em processo de legalização no Brasil

Há muito tempo tem-se tentado junto ao Google Brasil uma negociação com a Google Inc. a respeito do Orkut. Todo mundo sabe que aquele território está cheio de pornografia infantil, tráfico de drogas, pirataria, etc. Exatamente como aqui fora, só que sem camuflagem. Por conta dos termos de uso da Google e por estarem amparados pela lei estadunidense, era muito difícil conseguir dados sobre usuários e comunidades através da Justiça.

Agora foi firmado um acordo com o governo brasileiro e todas as solicitações da Justiça e Polícia Federal na remoção de conteúdo que firam as leis brasileiras serão atendidas, mantendo-se os dados dos usuários envolvidos que serão fornecidos às autoridades competentes. Com isso a Google se libera da tarefa de moderar seu conteúdo, já que a polícia vai estar de olho, além de ficar completamente dentro das leis nesse sentido.

Se a Google já emite Nota Fiscal para os anunciantes do AdWords, não deve demorar muito para começarem a comprovar de alguma forma os pagamentos feitos aos afiliados AdSense. O número de brasileiros parceiros do programa é muito alto, e os pagamentos são feitos com transferências internacionais, muitas vezes sem nenhum tipo de comprovação da operação cambial. O governo sabe disso e está de olho nessas transações, obviamente, querendo a “parte dele”. Com a política de boa vizinhança da Google, isso está mais próximo do que se imagina.


Manoel Netto é Consultor / Desenvolvedor Web, apaixonado por tecnologia desde que nasceu e autor do blog Tecnocracia.com.br.

Popularity: 2% [?]

Google implementa busca por documentos recentes

Quem está por dentro de como funciona o Google sabe que o que determina o posicionamento de determinada página num resultado de busca é o PageRank. Dentre os fatores mais importantes do PR está a data de criação (indexação, na verdade) do documento. Quanto mais antiga for determinada página, melhor será seu posicionamento no Google (óbvio que isso não desconsidera outros fatores como relevância e número de backlinks).

Em muitos momentos o que menos importa para um usuário que busca determinado assunto é a idade da página. Ele precisa de informações frescas, principalmente quando o assunto é algo que ele acabou de saber na TV ou num blog, site, etc.

Pois para essas situações, o Google acaba de implementar a busca por data. Com essa ferramenta é possível delimitar o período de busca por determinado assunto. Veja no exemplo abaixo uma busca pela expressão “Brasil”, numa busca comum no Google:
Agora uma busca pelo termo “Brasil” selecionando apenas os resultados dos últimos 3 meses:
Apenas os resultados indexados nos últimos 3 meses. Para quem precisa de informação fresquinha, uma mão na roda.


Manoel Netto é Consultor / Desenvolvedor Web, apaixonado por tecnologia desde que nasceu e atualmente mantém o site Tecnocracia.com.br.

Popularity: 2% [?]

Aquisições, Rumores e dois dedos d´água

A notícia mais quente do momento é essa : A Google está pretendendo adquirir a FeedBurner! Coincidência, boato ou especulação de mercado, o fato é que após a recente compra da Microsoft – aQuantive, uma empresa de anúncios – por 6 bilhões de dólares (há de se dizer, uma senhora compra), a aquisição da FeedBurner seria estrategicamente feliz.

Com a DoubleClick em sua rede, a Google praticamente detém o mercado de publicidade online fazendo com que a Microsoft e a Yahoo! tenham que correr muito para concorrer. A FeedBurner no entanto, domina hoje o mercado de publicação e gerenciamento de feeds (assinaturas de conteúdo online) e possui em seu pacote de serviços a FeedBurner Ad Network, um sistema de anúncios que são exibidos exclusivamente nos sites afiliados aos seus serviços de publicação de feeds. Vale a pena comentar que o AdSense não funciona em feeds, pois é disparado usando JavaScript e Iframe, ambos não suportados na metodologia.

Comprando a FeedBurner, e consequentemente toda a sua carteira de clientes e parceiros, a Google estenderá de forma muito inteligente os seus domínios, podendo oferecer a partir de então, publicidade contextual e direcionada através do AdWords dentro dos feeds. Show, hein?

Nós, parceiros do AdSense, esperamos ansiosamente a confirmação desse boato e a implementação das melhorias.

E você? O que acha disso?


Manoel Netto é Consultor / Desenvolvedor Web, apaixonado por tecnologia desde que nasceu e atualmente mantém o site Tecnocracia.com.br.

Popularity: 2% [?]

Os ganhos com o AdSense vão cair

Então o Google finalmente começa a mexer nas regras de um jogo que ele mesmo criou: o uso correto do AdSense em relação ao conteúdo associado.

Durante muito tempo, vimos sites – principalmente blogs, mas não exclusivamente – misturarem seus anúncios ao conteúdo caça-paraquedista (a notícia da hora, a polêmica do momento, a capa mais recente de revista masculina), tanto que muitas vezes é difícil definir o que é conteúdo e o que é propaganda. Vimos surgir muitos blogs unicamente com esse propósito. E agora vamos começar a vê-los sumir.

Essa semana o Google enviou mensagens a alguns de seus editores com um aviso sobre conteúdo inapropriado. Foram muitos blogueiros aconselhados a remover determinados posts que feriam o Termo de Uso do Google AdSense, principalmente um quesito : associação de conteúdo impróprio para menores (leia-se pornografia, palavrões e insinuações de sexo / violência) aos anúncios. Além de remover os posts, a recomendação era remover a indexação no próprio Google, com a punição de congelamento e posterior cancelamento da conta do editor em caso de insistência.

Além disso, na mesma semana o blog do AdSense exibiu algumas dicas de como não posicionar os seus anúncios, com os conselhos de que se assim o fizesse, o editor poderia ter sua conta cancelada. Sem choro nem vela. As dicas incluem:

  • Não posicionar anúncios vizinhos a áreas de interação, como menus ou caixas de busca;
  • Não exibir adsense junto com imagens ou animações, que pudessem confundir o usuário a associar equivocadamente aos anúncios;
  • Não posicionar anúncios próximos de frases como “Clique aqui” ou “Colabore com o site”;
  • Deixar claro através de palavras como “Anúncios”, “Publicidade” ou afins, de que o bloco se trata de anúncios pagos;
Esses conselhos entram em contradição com as “Dicas de Otimização” divulgadas durante bastante tempo pelo próprio Google através de seu blog ou nos sistemas de ajuda. Elas ainda existem, basta dar uma procurada e conferir.

O que fez o Big G mudar foi simplesmente o foco em resultado. É preciso mostrar aos anunciantes que o sistema é viável. Todos sabemos que para-quedistas clicam simplesmente, não compram, não se registram, não fazem download. Apenas clicam e ao não encontrarem o que procuram, clicam novamente tentando desesperadamente achar aquelas belas fotos da Antonella Barba. Ao enfatizar que essas práticas antes estimuladas estão agora proibidas, o Google tenta assegurar que seus anunciantes terão mais retorno e isso irá sustentar o modelo do AdWords e do próprio AdSense.

Claro que alguns blogueiros já começaram a reclamar dos ganhos em queda, mas felizmente essa atitude do Google tem um grande potencial para limpar um pouco a blogosfera, tornando o ambiente um pouco mais saudável e a concorrência menos canibal. A partir de agora, os textos deverão ser mais criativos, mais bem escritos e menos apelativos. O Google está de olho… e você, está de acordo?

Aprofunde-se


Manoel Netto é Consultor / Desenvolvedor Web, apaixonado por tecnologia desde que nasceu e atualmente mantém o site Tecnocracia.com.br.

Popularity: 3% [?]

Fidelização Online

Depois que escrevi o artigo “2015, o futuro não parece tão distante“, não paro de pensar no assunto. Principalmente pela afirmação “o Google é a própria Internet”.

Responda rápido. Quantas pessoas você conhece que, para acessar um site qualquer, entram primeiro no Google e digitam a URL completa do site, digamos: www.undergoogle.com.br e ao aparecer nos resultados, clicam sobre ele? Para essas pessoas (eu já vi muita gente fazendo isso) o Google é ou não a própria Internet? E de onde será que vem toda essa valorização, essa transferência ou personificação que o Google impacta sobre a Internet?

Se percebermos, atualmente na Internet quando se gera um buzz, uma das três gigantes está envolvida: Microsoft, Apple ou Google. Esse último muito mais que os outros. Vamos comparar essas três empresas e suas relações com usuários?

Microsoft

Desde o meu primeiro contato com computadores, por volta de 1992, a Microsoft já dominava o cenário dos PCs. Na época, junto com a IBM, mas em pouco tempo a imagens de ambas estava dissociada, mas desde essa época já existia um certo descontentamento dos usuários com os seus produtos, o que piorou depois do lançamento do Windows e principalmente depois da versão 95. A penetração no mercado brasileiro sempre foi muito fácil devido à pirataria de seus softwares e adoção em massa nos cursinhos de informática, que começaram a ser extintos por volta de 2002.

Mesmo com um índice de atrito com os seus usuários muito alto, apesar da enorme quantidade de dinheiro gasto em publicidade, a Microsoft continua dominando o mercado de computação pessoal.

Apple

Definitivamente uma empresa com foco em criatividade. Tudo que a Apple lança vira tendência, vira hype e geralmente é muito bom mesmo. Quase todo mundo que eu conheço no meio “informático” gostaria de ter um produto Apple ou planeja comprá-lo em breve ou já possui. Seus computadores são muito bons, plataforma estável, sistema operacional excelente e sempre tiveram dois pontos fortíssimos: gráfico e som. Preferência de 11 entre 10 designers.

Apesar de possuir produtos ótimos e ter um relacionamento muito bom com seus consumidores, além de possuir um apelo comercial grande, a Apple não domina o mercado de computação pessoal, móvel nem Internet.

Google

A empresa com a marca mais valiosa do mundo atualmente é a gigante que mais cresceu nos últimos anos, fazendo frente até mesmo com a Microsoft. Apesar de não vender praticamente nada (alguns produtos possuem versões corporativas, como o Google Earth) além de anúncios, o Google está presente em quase todos os segmentos online. É raro encontrar uma pessoa que acesse regularmente a Internet e não possua uma conta Google, seja de e-mail, Orkut, chat, estatísticas ou documentos. Isso tudo utilizando como palco a própria Internet.

O apelo da Microsoft é comercial, dos produtos Linux-like é ideológico, da Apple é qualitativo. Qual o apelo do Google? Porque não encontramos grupos de pessoas que odeiam o Google? Como uma empresa cresce tanto e adquire tanta fidelização num ambiente onde é muito fácil perder clientes, como a Internet?

Como concordo que “toda unanimidade é burra” (Nelson Rodrigues), eu proponho uma discussão a esse respeito, até mesmo para que eu entenda. Qual a justificativa da fidelidade dos usuários Google? O Google tem defeitos / problemas? Se alguém não gostar do Google por algum motivo, por favor, comente e nos diga o motivo. Se você gosta do Google e acha que a resposta é clara como água, só eu que não entendi, gostaria imensamente de saber.

Estou ansioso esperando seu comentário.

Aprofunde-se:


Manoel Netto é Consultor / Desenvolvedor Web, apaixonado por tecnologia desde que nasceu e atualmente mantém o site Tecnocracia.com.br.

Popularity: 2% [?]

E os blogs descobrem o AdWords

Todos nós já sabemos que a maior parte da rede de anúncios do Google, rentabilizada pelo programa AdSense, são blogs. O que alguns estão percebendo agora é que os blogueiros deixaram de ser agentes passivos nos anúncios e estão utilizando o programa AdWords.

Depois que escrevi o artigo “Anuncie grátis no AdWords“, várias pessoas entraram em contato comigo sobre o programa. Algumas jamais tinham pensado em anunciar, outras já tinham colocado em seus planos, mas a maioria pensava nisso como um “gasto” desnecessário. Numa época onde o SEO é palavra-chave obrigatória em qualquer blog, anunciar parece ser perder dinheiro, para ser exibido na mesma página onde estão seus links gratuitamente.

Em parte há uma certa razão para esse pensamento, afinal, poucas pessoas hoje estão efetivamente trabalhando o SEO em seu site / blog, facilitando o trabalho de quem avalia essas questões e possibilitando que sejam exibidos nos primeiros resultados na maioria das palavras-chave relevantes. O que não se está contando é com as mudanças no cenário, promovidas tanto pelo Google – com a constante implementação de seus algoritmos – quanto pelos desenvolvedores, que estão cada vez mais se dedicando à arte da otimização. SEO vai deixar de ser vantagem em pouco tempo e vai se tornar obrigatório, para poder estar nas pesquisas, não somente nos primeiros resultados.

No caso acima, os anúncios pagos levam vantagem. Também há casos em que é importante, ou no mínimo inteligente, anunciar diretamente em sites que se identifique um público-alvo potencial. São promoções, lançamentos de produtos ou apenas manutenção da divulgação de seu site / empresa / blog / produto. Os anúncios direcionados permitem falar com seu público que ainda não o conhece, exibir seu site a quem não busca por leitura nos mecanismos de busca mas lêem diversos sites diariamente.

Outra importante razão para anunciar um blog no programa AdWords é justamente ajudar na manutenção do serviço. Obviamente pode parecer uma loucura pensar que o programa AdSense acabaria “amanhã”, já que vem crescendo a malha da rede de anúncios do Google, mas não nos custa precaução. Anunciar seu blog pode ser uma forma de fazer o dinheiro circular, garantindo ao mesmo tempo divulgação para o seu blog e a sustentabilidade do negócio.

Saiba mais:


Manoel Netto é Consultor / Desenvolvedor Web, apaixonado por tecnologia desde que nasceu e atualmente mantém o site Tecnocracia.com.br.

Popularity: 3% [?]